Tu, que nas margens do lago

Informações

Nome do Cântico: Tu, que nas margens do lago

Autor(a): C. Gabarain

Inserido em: 24 de Setembro de 2015

Ré Lá Ré
Tu que nas margens do lago
Sol Mi- Lá
Não buscaste nem sábios nem ricos,
Ré Lá Ré Ré7
Mas só quiseste que eu Te seguisse.


Sol Ré
Senhor, Tu fixaste meus olhos
Mi- Lá Ré Ré7
Ternamente meu nome disseste.
Sol Ré
Nesse lago eu deixei minha barca
Mi- Lá Ré
Pois em Ti encontrei outro mar.


Tu sabes bem o que eu tenho
Em meu barco: nem ouro, nem armas,
Somente as redes e meu trabalho.

Tu minhas mãos requisitas;
Meu trabalho, que a outros descanse;
Minha amizade, que ao mundo abrace.

Tu, pescador de outros lagos,
Ânsia eterna das almas que esperam,
Um bom amigo que assim nos chamas.

Tu que nas margens do lago
Não buscaste nem sábios nem ricos,
Mas só quiseste que eu Te seguisse.

Senhor, Tu fixaste meus olhos
Ternamente meu nome disseste.
Nesse lago eu deixei minha barca
Pois em Ti encontrei outro mar.


Tu sabes bem o que eu tenho
Em meu barco: nem ouro, nem armas,
Somente as redes e meu trabalho.

Senhor, Tu fixaste meus olhos
Ternamente meu nome disseste.
Nesse lago eu deixei minha barca
Pois em Ti encontrei outro mar.


Tu minhas mãos requisitas;
Meu trabalho, que a outros descanse;
Minha amizade, que ao mundo abrace.

Senhor, Tu fixaste meus olhos
Ternamente meu nome disseste.
Nesse lago eu deixei minha barca
Pois em Ti encontrei outro mar.


Tu, pescador de outros lagos,
Ânsia eterna das almas que esperam,
Um bom amigo que assim nos chamas.

Senhor, Tu fixaste meus olhos
Ternamente meu nome disseste.
Nesse lago eu deixei minha barca
Pois em Ti encontrei outro mar.

5 pessoas gostam deste cântico.